Sunday, 1 December 2013

Stewart Sukuma - Why?



Hoje ouvi este videoclip do meu amigo Stewart e perguntei a mim mesmo, WHY?

Será que existe uma resposta única e certa para esta pergunta, WHY?

Não encontro resposta, mas sim compreendo que falar sobre o que acontece e traz tristezas, amarguras, dor e desespero, ajuda a encontrar a resposta!

Não há uma resposta única, mas partilhar ajuda a encontrar a resposta!

Saturday, 30 November 2013

O reacender de emoções



C9-EMC LAM - Linhas Aéreas de Moçambique Embraer ERJ-190AR (ERJ-190-100 IGW) taken 26-08-2013 at Johannesburg - OR Tambo International (JNB / FAJS) airport, South Africa by Wesley Moolman


Na manha de 20 de Outubro de 1986, cheguei ao meu gabinete de trabalho na Mosopesca, ali na Rua de Bagamoyo, para mais um dia de trabalho como Director Geral da Mosopesca; eram cerca das oito horas da manha e tudo indicava que seria um dia normal de trabalho.

Alguns minutos após ter-me sentado a secretária, recebo uma chamada do Dr. Fernando Simões,que na altura era um dos quadros seniores do Instituto de Investigação Pesqueira e um dos nossos melhores biólogos marinhos, perguntando-me se já sabia do acidente.

Acidente, que acidente? O avião presidencial que transportava o Presidente Samora Machel tinha caído na África do Sul na noite anterior, diz-me o Fernando. Foi um choque enorme, um sentimento inicial de não ser possível, uma ansiedade e medo enorme, um não acreditar que tal fosse possível, afinal Samora era imortal, não podia assim de repente ter morrido, algo tinha que ser feito para mudar a noticia!

A seguir seriam uma serie de telefonemas e ouvir a radio nacional para mais noticias; no final do dia confirmava-se aquilo que não queria que tivesses acontecido, de facto o Presidente e sua comitiva tinham perecido nesse fatídico desastre.

Depois seriam as cerimonias fúnebres, que acompanhei ali no nono andar do Prédio 1o de Janeiro, olhando o Porto de Pesca e a Ka-Katembe, sob o estrondoso buzinar das embarcações acostados ao longo de todo o Porto de Maputo, nesse dia caíram-me lágrimas de tristeza pela enorme perda, afinal Samora tinha sido minha inspiração e motivação principal por tudo aquilo que eu fazia pelo novo País.

De novo,as mesmas emoções começaram a desenvolver-se desde de ontem quando através do Facebook me apercebi que algo de grave teria acontecido com o voo entre Maputo e Luanda; essa mesma rota que meus companheiros e amigos tantas vezes fazem, alguns deles estiveram comigo em Angola há cerca de dois meses, tendo uma enorme ansiedade e tristeza apoderado de mim; hoje tive que trabalhar e não deixava de pensar na noticia do desaparecimento do avião das LAM.

Logo que terminei o trabalho e regressei a casa, foi a confirmação daquilo que não queria que acontecesse; agora era apenas tristeza e pesar, pensando nos familiares, na dor, na perda e consolação dos mesmos; por outro lado, a própria LAM e seus quadros e trabalhadores, como estarão eles, uma preocupação que passa pela impossibilidade em alterar os acontecimentos.

Aos familiares que agora sofrem pelas suas perdas, aos colegas das LAM e seus quadros superiores,antigos e actuais trabalhadores,onde tenho uma grande e vasta amizade, envio um enorme abraço de solidariedade e empatia por esta tremenda tragédia. Em especial um grande abraço de apoio e solidariedade ao meu amigo e colega Dr. Paulo Negrao, ele próprio um antigo Comandante das LAM, actualmente membro do Conselho de Administracao das LAM. 

Happy



Por algum tempo,perdi o acesso ao meu blog; fiquei triste, inconformado e tentei recupera-lo;no entanto todas as tentativas foram frustradas.

Entretanto, lembrei-me que em Setembro tinha recebido uma mensagem do Google informando-me que tinha havido uma tentativa de violação/usurpação da minha conta no Google e que a mesma tentativa tinha sido abortada pelo Google.

Ate hoje, não tinha tentado entrar na minha conta do Gmail; normalmente uso o Hotmail/Outlook, e raramente o Gmail; qual a minha surpresa, depois de recuperar a minha senha e de novo ter tido acesso a minha conta Gmail, eis que o meu querido blog reaparece; que grande alivio, de tal maneira que aqui deixo este meu desafogo, prometendo a mim mesmo dedicar mais tempo ao meu querido bairro ferroviário!!

E como não podia deixar este post sem alegria, aqui vai uma sugestão musical que gostei de ouvir recentemente.

Monday, 10 December 2012

ARSÉNIO ESCULUDES




Minha última refeição com o Príncipe da Mafalala, ARSÉNIO ESCULUDES

Foi em finais de Marco de 2011, quando mais uma vez os verdadeiros amantes e fazedores do hóquei Moçambicano se reuniram com o Presidente Vitalício Dr. Hermenegildo Gamito e ofereceram incondicional apoio ao Presidente da Federação Moçambicana de Patinagem Nicolau Manjate.

Nessa noite, foram de novo revistos momentos inolvidáveis do nosso hóquei; foram traçadas estratégias, discutidas opções e todas elas foram validadas e apoiadas pelos presentes.

Arsénio como sempre bem disposto, trouxe nos a memória momentos hilariantes; sua maneira de contar, seu "gaguismo" inigualável seu sorriso e sentido de humor animaram este jantar hoquista; não sabia que seria minha última refeição com este grande amigo, colega, treinador e mentor.

Não foi por acaso que ele se sentou a minha frente, mesma posição que jogamos muitas vezes em campo, um ao lado do outro ou então como adversários.

Nessa noite levei-o até casa, ali no estrela e quando ainda conversávamos nossas últimas palavras fomos abordados por um jeep da Policia cheio de guardas; um deles, o Chefe amavelmente veio ter até ao carro e perguntou se tudo estava bem, o qual o nosso Príncipe da Mafalala respondeu sempre com seu jeito jocoso " Tudo bem mano, aqui mando eu!!" E lá se foi o chefe despedindo-se muito cordialmente, desejando "Boa noite manos velhos!".

De facto manos velhos, desde que conheci o Arsénio no Ferroviário em 1974 quando cheguei a então LM; desde daí fomos adversários, colegas na primeira Selecção de Moçambique que participou num Mundial de S. Juan em 1978; ficamos para sempre amigos; ele seria igualmente meu Treinador em 1988 no Mundial da La Coruna; tiramos o mesmo curso de Treinadores na Cruz Quebrada em 1986, um mês juntos no Centro de Estágio.

O Arsénio tinha uma paixão muito especial pelas pescas, sempre aparecia no Porto de Pescas e meu visitante assíduo na Mosopesca; seria ainda através do Arsénio que o Armador Giverage conseguiria um embarcação semi-industrial de pesca da Baía de Maputo e o Arsénio dedicou-se muito aos arrastões para além do seu trabalho nos Caminhos de Ferro. Nos últimos tempos ficava no Clube Marítimo, em boa forma como ele dizia, pondo e tirando embarcações no mar.

Enfim, mais um amigo que parte; este ano já se foram muitos, tais como o Eng. João Boavida, o Quimlú e agora o Príncipe da Mafalala!

Quem irá agora contar nossas histórias, como só ele sabia?

Descansa em Paz Arsénio!

Tuesday, 24 April 2012

Pescas em Mocambique

Artigo sobre as pescas em Moçambique publicado no Jornal O País Pobreza nas pescas relega o sector à mera subsistência Quarta, 13 Outubro 2010 00:00 Moçambique tem menos peixe do que se estimaO contributo do sector para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 foi de apenas 3%, com uma produção de cerca de 138 mil toneladas. Em todo o país, 70% da actividade pesqueira está voltada à produção de pequena escala. A constatação é do vice-ministro das pescas, Gabriel Mutisse, que falava ontem, em Maputo, por ocasião da abertura do Seminário Regional de Promoção e Sustentabilidade da Pesca de Pequena Escala, evento organizado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em coordenação com o sector das pescas, o qual junta quadros de mais de uma dezena de países africanos. Ainda no encontro, cujo término está previsto para amanhã, o vice-ministro das pescas destacou a fragilidade do sector pesqueiro, resultado da pobreza extrema dos pescadores. De facto, o Programa Estratégico de Redução da Pobreza Urbana, recentemente lançado pelo Governo, mostra que, no inquérito de 1996/1997, 55,6% dos moçambicanos que trabalhavam no sector agrícola e pesqueiro eram pobres. Já no inquérito de 2002/2003, a percentagem pouco reduziu, para 53,9. Moçambique tem menos peixe do que se estima Ainda sobre o mesmo assunto, o representante do Instituto Nacional de Investigação Pesqueira, Domingos Gove, disse ao “O País” que o mar de Moçambique tem menos peixe do que se estima. Embora o país tenha uma costa de mais de 2 500 quilómetros, o pescado tem dificuldades em reproduzir-se, um problema comum a costa orientais fracas em proteínas essenciais para a sua alimentação. Gove referiu ainda que os pescadores de pequena escala carecem de equipamentos adequados para explorarem grandes extensões do mar. Ao mesmo tempo, a pesca industrial, que dispõe de melhor equipamento, mostra-se preocupada em capturar mariscos de alto valor comercial, caso do camarão da superfície, em detrimento do camarão de altas profundidades, cujo valor comercial é menor e com custos de captura mais elevados. Refira-se que o camarão corresponde a 80% das receitas pesqueiras do país. "http://opais.sapo.mz/index.php/economia/38-economia/10156-pobreza-nas-pescas-relega-o-sector-a-mera-subsistencia.html" Meu comentário na altura: Foram identificadas pelo IIP em meados da década de 80, cerca de 150.000 toneladas de carapau em recursos disponiveis, que actualmente não são capturáveis por falta de equipamento adequado a uma extraccao industrial; ate 1992, altura da liquidacao da MOSOPESCA, capturavam-se anualmente 20.000 tons. carapau p/ abastecimento do mercado interno, a precos controlados pelo Estado; seguiu-se a importacao de carapau, com liberalizacao dos precos e o carapau nacional deixou de fazer parte da ementa dos Mocambicanos; o carapau nacional morre de velhinho...

Russell Brand e a adiccao

http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-17823551
Russell Brand um conhecido comediante, actor, apresentador de televisão e um addicto em recuperação, partilha a sua experiência e até brinca com o Comité do membros do Parlamento do Reino Unido, deixando uma mensagem clara, simples e directa em como lidar com o problema da dependência de alcool, drogas e outras substancias aditivas; vale a pena ouvir, principalmente porque ajuda a compreender a natureza da doença e como tratá-la; em Moçambique este principio de abordagem da dependência química necessita de ser propalado de forma a haver condições para o tratamento da doença. http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-17823551

Monday, 23 April 2012